SAIBA COMO FUNCIONAM OS APARELHOS AUDITIVOS

Atualmente, os surdos (oralizados ou não) possuem uma vasta estrutura para conseguir "ouvir" através de aparelhos auditivos ou implantes cocleares.

Mesmo para aqueles que possuem perda auditiva profunda, a tecnologia esta aí, ajudando com vários tipos e modelos de aparelhos auditivos ou também chamado prótese auditiva.

 

Aqui, o propósito deste artigo é apenas explicar como funciona o aparelhos auditivos, sem entrar no mérito das "marcas", evitando assim a comercialização.

 

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA SURDEZ

Se o paciente apresentar perda auditiva, mesmo depois de tentativas com cirurgias ou medicamentos, o médico otorrinolaringologista consequentemente pode indicar exames de audição como audiograma para saber qual o grau de surdez, que pode ser leve a profunda, e escolher o dispositivo mais adequado, seja aparelhos auditivos ou para casos de perda profunda, o implante coclear.

 

O uso das próteses pode ser muito útil e o fonoaudiólogo pode orientar o paciente a escolher os modelos feito sob medida e também ajustar o aparelho de acordo com suas necessidades.

 

Os aparelhos auditivos geralmente servem para quem tem perda leve a moderada. Em alguns casos são indicados também para quem tem perda profunda mas requer avaliação mais precisa, porque nem sempre o aparelho pode funcionar. E dependendo do caso, quando o indivíduo não tem mais audição, o aparelho não irá funcionar e aí a indicação seria o implante coclear.

 

 

O QUE SÃO APARELHOS AUDITIVOS?

 

O aparelho auditivo é um pequeno dispositivo eletrônico que amplificam os sons e tanto pode ser usado dentro do ouvido ou atrás da orelha. 

TIPOS DE TECNOLOGIA DOS APARELHOS AUDITIVOS

Analógico

Os aparelhos auditivos analógicos são um tipo mais antigo de tecnologia e também são aparelhos auditivos mais simples quando se fala em regulagens.

Os analógicos utilizam a eletrônica convencional para converter a onda sonora, captada pelo microfone, em sinais elétricos que são amplificados. São ajustados manualmente pelo fonoaudiólogo através de controles no próprio aparelho auditivo (trimers). Os ajustes nos controles são realizados com o auxílio de uma mini chave de fenda e diretamente no aparelho auditivo. Em geral existem entre 1 e 4 controles para ajuste e por isso é mais limitado e a qualidade de som é inferior. Deste modo, o usuário fica dependente de um controle de volume para adequar o quanto ele quer ouvir o tempo todo.

 

Digital

Os aparelhos auditivos digitais são o tipo mais novo e sofisticado de tecnologia.

Os digitais podem ser programados pelo fonoaudiólogo através de cabos e um software no computador, isto é transformam o som, converte-o em bits e manipula-o antes do sinal ser amplificado, é semelhante a um pequeno computador. Existe diversas opções de ajuste que melhoram a qualidade de som como por exemplo: microfones direcionais, múltiplos programas auditivos, possibilidade de entrada de áudio, função automática, controle remoto, bobina para uso de telefone, conectividade (bluetooth) e a microfonia (apito que acontece quando aproxima a mão no aparelho auditivo).

Oferecem mais vantagens em relação aos modelos analógicos pois permitem uma maior flexibilidade na adaptação individual das perdas auditivas e ao estilo de vida do usuário, com maior precisão e qualidade sonora.

 

MODELOS DE APARELHOS

No mercado há diversos modelos de aparelhos auditivos, que atendem vários tipos de perda auditiva e oferecem benefícios diversos. Existem importantes diferenças como recursos de ajustes específicos e outros fatores que alguns usuários levam em consideração como o tamanho do aparelho.

 

 

Retro auriculares (BTE - Behind the Ear)

É o tipo de aparelho auditivo mais comum do mundo. São aparelhos que podem ajudar todos os tipos de perda auditiva, desde a leve à profunda. O aparelho é encaixado na parte superior externa da orelha. Possui controles internos de programação, como regulação de volume e compartimento de pilha.

Esse modelo de aparelho auditivo possui muitos benefícios: são confortáveis, resistentes, flexíveis, são de fácil manuseio e possuem uma maior durabilidade da pilha. Desvantagem: podem ser considerados “antiquados” por ser um modelo que é mais visível que os outros.

Receptor no canal (RIC - Receiver-in-Canal) ou Open-Fit (adaptação aberta)

Os tipos de aparelhos auditivos de adaptação aberta são os mais modernos e é particularmente pequeno e muito discreto. É um modelo de mini-retroauricular (pequeno aparelho atrás da orelha), porém o tubo e o molde não são convencionais. O receptor é usado no canal auditivo e conectado ao aparelho através de um tubo bem fino, uma vez que o receptor não fica mais dentro do aparelho retro auricular (BTE).

É um modelo de grande aceitação dentre todas as opções existentes, justamente por causa do menor tamanho e pela maior potência. Esses modelos de aparelhos auditivos são oferecidos para atender pessoas com perda auditiva leve a moderada severa. Possui diversos formatos e cores. Não são personalizados, mas estão disponíveis em tamanhos diferentes de acordo ao tamanho do ouvido. 

Intra auricular (ITE - In-the-Ear)

São aqueles aparelhos auditivos que ficam dentro do ouvido. São maiores e ficam acomodados dentro do canal e totalmente na parte externa (concha). Estes aparelhos se encaixam muito bem nos ouvidos: são grandes, muito potentes e em alguns casos desconfortáveis. Esse modelo está caindo em desuso pois seu forte não é a discrição, porque ele ocupa toda a concha da orelha devido ao tamanho muito avantajado do seu receptor. É feito sob medida para ser adaptado aos contornos do ouvido do usuário.

São mais indicados para perdas auditivas severas a profundas, mas podem ser adaptados para qualquer tipo de perda auditiva.

Intracanal (ITC - In-the-Canal)

São aparelhos auditivos muito discreto mas ainda é levemente visível. De tamanho intermediário e de uso interno sendo fixado dentro do canal auditivo e fabricado especificamente para a pessoa que vai usar após realização de um molde do ouvido. O aparelho fica acomodado dentro do canal e parcialmente na parte externa (concha). O que vai definir o tamanho dele no ouvido são os opcionais: controle de volume, bobina telefônica e botão de programas. Quanto mais opcionais, maior o aparelho. O tamanho do canal auditivo também influencia no tamanho final do aparelho auditivo. Facilita o uso do telefone, por estar muito inserido no canal auditivo. Este modelo de aparelho precisa de maiores cuidados com a limpeza.

É o preferido dos pacientes, por questões estéticas, mas não funcionam bem para todo tipo de perda auditiva: pode ser adaptado em perdas auditivas de grau leve a moderado.

Intracanal profundo CIC (Completely In-the-canal)

Os aparelhos intracanais profundo são tão discreto que mal pode ser visto por serem os menores aparelhos auditivos em tamanho com tecnologia digital, de uso interno, pois se encaixa totalmente dentro do canal auditivo. Esses modelos são produzidos através de uma pré-moldagem do ouvido do paciente. Tem apenas uma peça que se encaixa perfeitamente no canal e a única parte visível é a ponta do fio de nylon pelo qual o paciente remove o aparelho auditivo. Não são recomendados para pessoas com pouca mobilidade manual, devido ao seu tamanho e também em pacientes com muita produção de cera.

Se adapta muito bem para pessoas com perda de audição leve a moderada.

COMO FUNCIONA O APARELHO AUDITIVO

Estrutura do aparelho

O aparelho possui 4 partes básicas

O aparelho é composto por:

- microfone: que capta o som;

- amplificador: a maioria já possui processamento digital de sinal;

- receptor: responsável por enviar o som amplificado para o ouvido do paciente;

- computador: manipula os sinais eletrônicos, no sentido de adaptá-los à perda auditiva de cada usuário.

 

Outros componentes do aparelho

A maioria dos aparelhos possuem um botão cuja função é de liga-desliga ou esta função funciona da abertura e fechamento do compartimento da bateria (pilha). 

O uso da tecla T: mais característico do aparelho auditivo analógico e em alguns aparelhos digitais intracanais e intra-auriculares a tecla T ativa a bobina telefônica (ou bobina de indução magnética) que possibilita a captação e amplificação somente dos sons oriundos do telefone.

 

Recursos dos aparelhos digitais modernos

De acordo com as necessidades e preferências de cada usuário existem uma variedade de funções em cada aparelho.

Em alguns aparelhos mais modernos apresentam conectividade Wireless para conectar-se com telefones e computadores e também a tecnologia Bluetooth que faz conexão entre equipamentos de áudio e os aparelhos auditivos.

Existem ainda com outras funções, como memória de configurações para serem usadas em ambientes mais barulhentos ou mais quietos, por exemplo.

        

O que são feitos sob medida nos aparelhos?

Molde:

O molde de ouvido é um acessório destinado a adaptar e auxilia a encaixar o aparelho ao ouvido. São peças individualmente confeccionadas, geralmente de acrílico ou silicone. 

Os modelos de aparelhos auditivos intracanais:

O que varia é a porção do ouvido onde são colocados e o tamanho. 

Forma de energia

Todos os aparelhos possuem um local para acoplar a bateria, conhecida popularmente como pilha. Elas fornecem a energia para toda a estrutura do aparelho auditivo funcionar.

Fontes

Compartilhe

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube Social  Icon

Síndrome de Usher Brasil @ 2016 Todos os direitos reservados

Responsável: Ana Lúcia Perfoncio