SAIBA QUAIS SÃO OS MEDICAMENTOS NÃO RECOMENDADOS PARA AFETADOS COM RETINOSE PIGMENTAR E SURDEZ

25/03/2019

 

Os médicos prescrevem remédios para prevenir ou tratar doenças, no entanto, esses mesmos fármacos podem ser tóxicos para certos pacientes. No caso de pessoas afetadas com retinose pigmentar e também por surdez, por exemplo, indivíduos com a síndrome de Usher, podem acelerar a degeneração. Existe também o fator da predisposição genética que pode influenciar na toxicidade. Portanto, deve-se tomar cuidado com a administração inapropriada dos medicamentos.

Se o paciente estiver usando estes remédios é importante que o oftalmologista e o otorrinolaringologista sejam avisados. Os pacientes e seus médicos devem estar cientes dos riscos da toxicidade e no caso, devem tomar providência em reduzir ou deixar de tomar estes medicamentos para evitar futuras complicações.

Desde a antiguidade o ouvido é reconhecido como um dos órgãos mais danificados por substâncias tóxicas dos medicamentos

 

Do ponto de vista histórico, os problemas de audição induzidos pelos medicamentos, surgiram no século 19: os fármacos eram produzidos sob forma mais “pura” e às vezes administrados em doses maiores. Tempo depois, surgiram os remédios em forma de pílula como componentes ativos.

Com o advento dos agentes antibacterianos, os remédios foram se tornando cada vez mais eficazes e frequentemente tinham efeitos colaterais danosos para os ouvidos.

Esses efeitos foram destacados, na qual se originou o termo “ototoxicidade”. Com o passar do tempo foram feitos muitos estudos e técnicas mais sofisticadas para detectar e medir as ações dos medicamentos. 

Definição da Ototoxicidade

A ototoxicidade é a propriedade de substâncias tóxicas para o ouvido, especificamente a cóclea ou o nervo auditivo. Os sintomas incluem zumbido, desequilíbrio e perda de audição, mas isto depende de uma série de fatores como dose, duração do tratamento, coadministração com outros medicamentos que têm potencial ototóxico, insuficiência renal concomitante e susceptibilidade genética.

Existe no mercado muitos medicamentos e substâncias químicas potencialmente ototóxicas, isto é, são fármacos que podem causar danos estruturais temporários e reversíveis ou permanentes no ouvido interno. 

O olho é um dos mais suscetíveis à toxicidade

Embora existam muitas complicações potenciais, o olho é o segundo órgão mais comum a manifestar toxicidade medicamentosa, superado apenas pelo fígado.

O fato de o olho ser composto por tantos tipos diferentes de células, pode ser facilmente afetado pelos medicamentos.

Há uma série de remédios que podem ser tóxicos para os olhos (principalmente para quem tem retinose pigmentar), embora os efeitos colaterais de muitos deles, se detectados precocemente, possam ser reversíveis após a cessação da droga. Em alguns casos de uso prolongado ou inapropriado, a recuperação visual completa é rara, a disfunção visual geralmente persiste e pode até progredir após a cessação.

CONFIRA A LISTA DE MEDICAMENTOS
QUE PODE CAUSAR TOXICIDADES RETINIANAS E A OTOTOXICIDADE

OBSERVAÇÃO: Todas as informações contidas aqui têm a intenção de informar e não pretendem substituir de forma alguma as orientações do médico. Não interrompa o uso de seu remédio sem falar com seu médico.

AGENTES PARA DISFUNÇÃO ERÉTIL

O composto sildenafil (mais conhecido pelo nome comercial Viagra) foi inicialmente avaliado para pacientes com hipertensão e angina, mas foi encontrado um efeito colateral inesperado que levou à sua introdução como o primeiro agente eficaz para a disfunção erétil.

 

SILDENAFIL

Substâncias similares: Vardenafil, Tadalafil

 

Indicação

O sildenafil é indicado para tratamento da disfunção erétil.

 

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns são cefaleia, rubor, dispepsia (má digestão), congestão nasal. Este fármaco é conhecido pela cianopsia (cor azulada que se observa na pele, nas mucosas e nas extremidades) e distúrbios visuais (mais detalhes logo a seguir). Em casos mais graves, pode ocorrer infarto de miocárdio e derrame cerebral (AVC).

 

Ototoxicidade

Pode ocorrer reações adversas comuns, como vertigem leve e zumbido, que podem ser temporárias ou permanentes mesmo após cessação do medicamento. Em casos raros pode apresentar perda auditiva neurossensorial súbita. 

 

Efeitos colaterais oculares

As reações oculares mais comuns são visão embaçada, sensibilidade à luz (fotofobia) e diminuição da visão de cores. Estes sintomas visuais não estão associados à perda da acuidade ou do campo visual e sim relacionados com a dose: se tomar 100 mg, os sintomas aparecem em quase 50% dos casos.

Os sintomas desaparecem entre quatro e seis horas após a ingestão da medicação. No entanto, em alguns pacientes com degeneração visual como retinose pigmentar, degeneração macular e retinopatia diabética, o sildenafil deve ser usado com cautela ou não deve ser consumido, porque o fármaco inibe a enzima PDE5, que está presente em todo o tecido vascular, mas também exerce uma ação inibitória menor contra o PDE6. As pessoas com retinose pigmentar já têm menos PDE6 do que o normal e o uso prolongado desta droga pode ser prejudicial para a visão.

 

 

AGENTES QUELANTES

Os agentes quelantes servem para tratamento de envenenamentos metálicos por chumbo, mercúrio ou outros elementos pesados. Serve também para tratar condições com níveis excessivos de ferro no soro, incluindo hemocromatose. Este fármaco possibilita sua eliminação pelo organismo, num tratamento denominado quelação.

 

DEFEROXAMINA 

Substâncias similares: Desferrioxamina, Desferal

 

Indicação

Serve para casos de intoxicações de metais pesados e tratamento de hemocromatose.

 

Efeitos colaterais

Dor, inchaço, endurecimento, urticária. Eventos raros: retardo no crescimento em crianças, vertigem, convulsões. 

 

Ototoxicidade

Zumbido, perda da audição neurossensorial de alta frequência (profunda).

 

Efeitos colaterais oculares

Podem ocorrer visão borrada, cegueira noturna, acuidade visual reduzida, discromatopsia (deficiência da visão para cores) e nos casos mais graves catarata, retinose pigmentar e perda da visão.

A toxicidade da deferoxamina é reversível com a cessação da droga, com recuperação total da função visual. No entanto, a medicação é frequentemente usada para condições crônicas, como a talassemia, que requer terapia regular. Nesses pacientes, o monitoramento com exames oftalmológicos frequentes, é essencial para detectar a perda precoce da visão.

 

ANTIACNE

Antiacne, também chamados de retinóides, são medicamentos que ajudam no tratamento de espinhas, cravos e mais graves formas de acne.

 

ISOTRETINOÍNA

Substância similar: Tetraciclina

 

Indicação

Isotretinoína é um fármaco em forma de gel ou cápsulas, indicado para tratamento de inflamação grave de acne, além de tratamento e/ou quimioterapêutico para prevenção do câncer de pele.

 

Efeitos colaterais

Este remédio vem sendo bem reconhecido como tratamento de sucesso para acne vulgar, mas há muita controvérsia por ter sérios efeitos colaterais como ressecamento da mucosa bucal, nasal, genital e ocular, asma e bronquite entre outras possíveis complicações respiratórias e em gestantes causa morte do feto ou malformações graves, como hidrocefalia.

 

Ototoxicidade

Em casos raros podem causar zumbido e surdez.

 

Efeitos colaterais oculares

A Isotretinoína causa danos visuais como cegueira noturna, diminuição da visão das cores e alguns casos contribuem para a formação de catarata.

A maioria destes efeitos colaterais são reversíveis e desaparecem após o término do tratamento, mas o acompanhamento oftalmológico deve ser cuidadosamente monitorado, principalmente aos que tem predisposição genética a ter retinose pigmentar.

 

ANTIALÉRGICOS

Os antialérgicos, também conhecidos como anti-histamínicos, são medicamentos que atuam no bloqueio da substância que age em processos alérgicos. São utilizados na terapia do tratamento respiratório e nas alergias de pele (urticária, dermatite de contato e atópica).

 

DIFENIDRAMINA

Substâncias similares: Loratadina, Desloratadina, Fexofenadina, Cetirizina, Levocetirizina e Azelastina.

 

Indicação

De uso oral, serve para tratamento de resfriados comuns, conjuntivite, rinite, urticária, enjoo de viagem, parkinsonismo, erupções cutâneas e tratamento das reações anafiláticas. A difenidramina também tem propriedades anestésicas locais comuns, como a pomada lidocaína.

 

Efeitos colaterais

A sonolência é o principal e o mais frequente efeito colateral, mas também inclui boca seca, distúrbio de coordenação, tontura, falta de concentração ou agitação, taquicardia, depressão e retenção urinária.

 

Ototoxicidade

O uso prolongado pode causar tontura ou vertigem e zumbidos (nem sempre reversíveis).

 

Efeitos colaterais oculares

Geralmente as reações adversas são: olho seco, dilatação pupilar e diminuição da acomodação (capacidade de foco), visão turva, ceratite seca, intolerância a lentes de contato. Em indivíduos suscetíveis, os antialérgicos podem aumentar o risco ou piorar o glaucoma de ângulo fechado.

 

 

ANTIARRÍTMICOS

Antiarrítmicos são fármacos cardíacos utilizados no tratamento de fibrilação atrial e flutter atrial, da insuficiência cardíaca congestiva ou mais comumente conhecida como arritmia cardíaca. Devido às suas propriedades, eles também são usados como possíveis agentes anticancerígenos.

 

DIGOXINA (substância ativa)

 

Indicação

A digoxina (Glicosídeos cardíacos) é indicada para tratamento de insuficiência e arritmia cardíaca.

 

Efeitos colaterais

Dor de cabeça, fraqueza, vertigens, dor no estômago, mudanças nos batimentos cardíacos, diarreia, mal-estar, vermelhidão e coceira na pele, desorientação, depressão, alucinações e crescimento das mamas no homem após uso prolongado da Digoxina.

 

Ototoxicidade

A digoxina em interação com outros medicamentos pode provocar efeitos tóxicos e ototóxicos, portanto, deve-se informar ao médico sobre o consumo.

 

Efeitos colaterais oculares

As anormalidades visuais são os primeiros e mais comuns sinais de toxicidade por digoxina.

Os efeitos colaterais, se consumido por longo tempo, inclui sintomas como visão amarelada, falta de percepção de cores, visão turva, catarata, fotofobia, neuropatia, neurite óptica e degeneração da retina.

Após a interrupção da terapia com digoxina há melhoria total após alguns meses, mas em casos de pacientes com doenças oculares preexistentes devem ser monitorados durante e após o tratamento.

 

ANTIBIÓTICOS

Antibióticos são medicamentos usados unicamente para a eliminação de bactérias sem danificar as células de nosso corpo. Eles são remédios que funcionam exclusivamente em bactérias e não são capazes de eliminar vírus. Mas, como todas as drogas, muitos deles têm efeitos colaterais graves e indesejados. Alguns podem afetar adversamente a visão, mas um dos órgãos mais prejudicado, é o ouvido (ototoxicidade).

Os antibióticos podem ser classificados em bactericidas (causa diretamente a morte das bactérias) e bacteriostáticos (inibe sua reprodução). 

Aqui listamos alguns grupos e os medicamentos que têm grande impacto dos efeitos colaterais para olhos e ouvidos.

 

Classe AMINOGLICOSÍDEOS

Aminoglicosídeos são usados para tratar de infecções severas por bactérias gram-negativas e são amplamente empregados na medicina clínica por seus potentes efeitos antibacterianos. 

 

ESTREPTOMICINA

Substâncias similares: Di-hidroestreptomicina, Neomicina (encontrados em muitas pomadas e colírios), Kanamicina, Amicacina, Gentamicina, Tobramicina, Netilmicina

 

Indicações

Estreptomicina é indicada para tratamentos de infecções pulmonares como tuberculose, fibrose cística, infecção urinária, além de tratamento quimioterapêutico.

 

Efeitos colaterais

Os principais efeitos adversos desta classe de antibióticos são: lesão renal (se interagir com outros medicamentos), náusea, vômitos, urticária e vertigem.

 

Ototoxicidade

O dano vestibular (desiquilíbrio ao andar) é mais comum do que o dano coclear e ocorre mais precocemente. Geralmente manifesta o zumbido que pode ser de alta frequência e contínuo e se não cessar a medicação pode evoluir rapidamente para a perda auditiva.

A ototoxicidade pode ocorrer em até 20% dos pacientes, em razão disto, as doses desses antimicrobianos devem ser muito bem definidas e ser monitorizadas durante todo o tratamento.

 

Efeitos colaterais oculares

A toxicidade também afeta a visão causando degeneração retiniana externa, mas depende da dose: os efeitos a curto prazo são reversíveis. Para pacientes com histórico de retinose pigmentar, o uso deve ser monitorado.

 

 

Classe MACROLÍDEO

Os macrólidos ou macrolídeos são um grupo de antibióticos de amplo espectro usados no tratamento das infecções bacterianas e fúngicas comuns. Este fármaco é uma opção a pacientes alérgicos à penicilina.

 

ERITROMICINA

Substâncias similares: Azitromicina, Claritomicina, Esperamicina, Micocamicina e Roxitromicina.

 

Indicação

Antibiótico indicado para infecções respiratórias, sífilis, difteria, amebíase intestinal, infecções urogenitais. 

 

Efeitos colaterais

Mal-estar, náusea, vômito, diarreia e/ou cólica abdominal.

 

Ototoxicidade

Pode ocorrer perda auditiva neurossensorial bilateral em todas as frequências e/ou zumbido. O efeito ototóxico da droga é usualmente reversível com a interrupção. Contudo, em raras ocasiões, envolvendo a administração intravenosa, a surdez pode ser irreversível.

 


Classe GLICOPEPTÍDEOS

Glicopeptídicos são tipos de antibióticos que inibem a formação da parede celular bacteriana gram-positivas e geralmente reservados para o tratamento de infecções graves.


VANCOMICINA

Substâncias similares: Tercoplamina e Namoplanina.

 

Indicação

É um antibiótico usado no tratamento de infecções graves por alguns tipos de bactérias, especialmente nos ossos, pulmões, pele, músculos e coração.

 

Efeitos colaterais

Reações mais comuns incluem diminuição da pressão arterial, falta de ar, vermelhidão no local da injeção, reação alérgica na pele, náuseas, dor nos músculos e febre.

 

Ototoxicidade

Pode causar zumbido, perda de audição especialmente se administrada por via intravenosa, por isto é recomendado somente seu uso tópico. Mesmo em doses terapêuticas, este remédio apresenta perda auditiva em qualquer grau.

 

Efeitos colaterais oculares

A vancomicina de uso tópico foi amplamente utilizada como profilática durante a cirurgia de catarata para reduzir o risco de endoftalmite, uma infecção rara, no interior do olho, causada após cirurgia ocular. Existem muitas controvérsias por seu uso: houve relatos de casos de pacientes operados e medicados com este fármaco que apresentaram sintomas como vasculite retiniana oclusiva hemorrágica (HORV). É um sintoma reversível se for constatado rapidamente. Outras reações adversas foram glaucoma e perda da visão.

 

Classe QUINOLONAS

As quinolonas são fármacos antimicrobianos potentes, utilizados em infecções de origem bacteriana.

 

FLUOROQUINOLONA

Substâncias similares: Cinoxacino, Lomefloxacino

 

Indicação

Os antibióticos da classe das fluoroquinolonas são indicados para doentes com problemas renais, em transplantados ou em tratamento com corticosteróides. Devido a uma série de efeitos colaterais debilitantes, estas drogas não devem ser usadas como primeira linha de tratamento.

 

Efeitos colaterais

Os efeitos, embora raros, mas comprovados em certos pacientes, podem causar lesões graves no sistema nervoso central como depressão, alucinações e reações psicóticas, problemas de coração, fígado, pele, sistema gastrointestinal e alteração de metabolismo do açúcar no sangue.

 

Ototoxicidade

Reações adversas conhecidas da fluoroquinolona são: a perda parcial ou total da audição e zumbidos. Foram relatados poucos casos de surdez temporárias e reversíveis.

 

Efeitos colaterais oculares

Perda repentina da visão pode ocorrer, mas felizmente são raras e temporárias.

A maioria dos sintomas estão ligados apenas ao uso muito recente deste fármaco, ​​mas em alguns pacientes os efeitos adversos, como descolamento de retina, podem aparecer semanas ou meses após o término do tratamento, o que dificulta associar a fluoroquinolona como causadora.

 

 

CIPROFLOXACINO

 

Indicação

O ciprofloxacino é uma fluoroquinolona de segunda geração com uma ampla aceitação, geralmente tem bons resultados no combate às bactérias. Trata-se de um dos antibióticos mais comumente prescritos: são usados em infecções do trato urinário, diarreia bacteriana, prostatites causadas por bactérias, gonorreia, pneumonia, entre outros.

 

Efeitos colaterais

Os comuns incluem náuseas, vômitos, diarreia, erupção cutânea, neuropatia periférica e em alguns casos esta droga aumenta o risco de ruptura do tendão.

 

Ototoxicidade

Pode causar zumbido permanente e em alguns pacientes perda parcial da audição.

 

Efeito colateral ocular

Casos de cegueira temporária podem acontecer, assim como o descolamento de retina.

 

 

Classe ANTITUBERCULOSO

Esta classe de antibióticos reúne fármacos que atuam no combate à tuberculose.

 

ETAMBUTOL

Substâncias similares: Capreomicina

 

Indicação

O etambutol é um agente amplamente utilizado no tratamento de doenças micobacterianas que causam a tuberculose. É dado normalmente em combinação com outra medicação contra esta doença. A droga é considerada como a menos tóxica da primeira lista de fármacos antituberculose.

 

Efeitos colaterais

As reações adversas incluem prurido, dor articular, distúrbios gastrintestinais, cefaleia, tontura, confusão mental, neurite periférica, desorientação e possível alucinação, gota aguda ou hiperuricemia.

 

Ototoxicidade

A lesão vestibular (ataxia) é a mais comum e precoce reação da ototoxicidade do ethambutol, mas o consumo em longo prazo ou em associação com diuréticos pode causar vertigem, zumbido e surdez de toda frequência.

 

Efeitos colaterais oculares

Os problemas visuais são as reações adversas mais conhecidas do etambutol como visão turva, dificuldades de detecção de cores e em alguns efeitos graves como neurite (inflamação do nervo óptico que impede a transmissão da informação do olho para o cérebro) e atrofia óptica.

Pacientes com doenças oculares preexistentes são mais propensos a ter perda de acuidade visual, podendo deteriorar-se no mês (ou meses) mesmo após a interrupção. Deve-se, portanto, ter monitoramento oftálmico.

 

Classe ANTINEOPLÁSICO (AGENTES QUIMIOTERÁPICOS)

Agentes quimioterápicos são fármacos que impedem o desenvolvimento, crescimento ou proliferação de células tumorais malignas. O aumento do uso destes medicamentos resultou em maior sobrevida dos pacientes e consequentemente no aparecimento de vários efeitos colaterais, inclusive oculares e a ototoxicidade.

Vários antineoplásicos foram associados a retinose pigmentar e a surdez, portanto o oncologista, o oftalmologista e o otorrinolaringologista precisam fazer o acompanhamento pelo menos a cada três meses para todos os pacientes com câncer no início e durante o tratamento para que possam minimizar ou eliminar os efeitos colaterais das drogas.

 

TAMOXIFENO 

Este fármaco é um eficaz composto de estrogênio mais usado no tratamento do câncer de mama em estágio inicial. 

 

Indicação

O tamoxifeno é indicado para o tratamento do câncer de mama porque inibe o crescimento do tumor.

 

Efeitos colaterais

Náusea, cansaço, sangramento vaginal, corrimento vaginal, erupções cutâneas, ondas de calor (fogachos), retenção de líquidos e ganho de peso.

 

Ototoxicidade

Zumbidos são reações comuns e ocasionalmente pode ocorrer perda auditiva.

 

Efeitos colaterais oculares

As pacientes podem ser assintomáticas no início, mas podem se queixar de diminuição da visão. 

Os sintomas oculares foram observados mais frequentemente com doses superiores a 120 mg duas vezes por dia que incluem catarata, atrofia óptica, edema macular e alterações pigmentares juntamente com diminuição da acuidade visual.

A toxicidade macular do tamoxifeno pode predispor à formação da retinose pigmentar.

Mesmo em doses terapêuticas menores ou após a descontinuação deste medicamento pode continuar tendo a perda visual progressiva.

 

 

INTERFERON

O interferon é uma proteína produzida principalmente pelo sistema imunológico que interfere na replicação de fungos, vírus, bactérias e células tumorais.

 

Indicação

O interferon é usado para tratar várias doenças, incluindo infecção crônica por hepatites B e C, carcinoma de células renais, leucemia, linfoma, sarcoma de Kaposi relacionado à AIDS, melanoma maligno e esclerose múltipla.

 

Efeitos colaterais

Fadiga, diarreia, problemas na pele e coceira. Em alguns casos, o sistema imunológico é afetado, ataca outras partes do corpo e pode ser fatal.

 

Ototoxicidade

Zumbido, perda auditiva reversível caso detectada a tempo.

 

Efeitos colaterais oculares

Os sintomas da retinose podem ocorrer de 2 semanas a 3 meses após o início da terapia. Podem ou não ser dose-dependentes, e geralmente desaparecem espontaneamente ou desaparecem quando a droga é descontinuada.

 A maioria dos pacientes com retinose por interferon é assintomática, no entanto, a perda da visão pode ocorrer e ser irreversível em alguns pacientes, mesmo após a descontinuação da terapia.

 

CISPLATINA

Substâncias similares: Carboplatina, Oxaliplatina, Vincristina, Mostarda nitrogenada (HN1)

A cisplatina é um antineoplásico de administração intravenosa que atua no tratamento de vários tipos de tumor.

 

Indicação

Cisplatina desempenha um papel importante no tratamento de diversos tipos de câncer, como por exemplo: testículos, ovários, garganta, bexiga, esôfago, entre outros.

 

Efeitos colaterais

Anemia, náuseas, vômitos, diarreia, diminuição do apetite, perda de paladar, convulsões, câimbras musculares, aumento da pressão arterial e inchaço do rosto.

 

Ototoxicidade

Cisplatina pode lesionar as células ciliadas da cóclea, causando zumbidos e diminuição da audição.

 

Efeitos colaterais oculares

Em alguns casos, o nível de toxicidade visual induzido pela cisplatina pode apresentar visão turva, alteração na percepção das cores, olho seco, ardor ocular, conjuntivite, atrofia óptica, paralisia dos músculos extraoculares, catarata. Os efeitos foram maiores em pacientes que associaram 3 ou mais drogas.

Estes sintomas geralmente são reversíveis com a suspensão do tratamento, mas deve ser evitado em pacientes com histórico de retinose pigmentar.

 

 

Classe ANTIFÚNGICOS

Os antibióticos incluídos neste grupo não apresentam ação antibacteriana. Trata-se de um medicamento que limita ou impede o crescimento de leveduras e outros organismos fúngicos.

 

ANFOTERICINA B (substância ativa)

 

Indicação

A anfotericina B (AMB) é eficaz no tratamento de infecções fúngicas sistêmicas como por exemplo candidíase, criptococose entre outros.

 

Efeitos colaterais

Cefaleia, náuseas, vômitos, rigidez, febre, hipertensão ou hipotensão, lesão renal e hipóxia (baixa concentração de oxigênio).

 

Ototoxicidade

Causa zumbidos e pode ocorrer surdez.

 

Efeitos colaterais oculares

Visão turva e diminuição da acuidade visual, inchaço das pálpebras e olhos

 

 

ANTICONCEPCIONAL

O anticoncepcional é um comprimido que contém hormônios (substâncias químicas) para evitar a ovulação e assim impedir uma gravidez não programada.

 

MEDROXIPROGESTERONA

 

Indicação

É um anticoncepcional injetável de ação prolongada, que deve ser administrado em intervalos.

 

Efeitos colaterais 

Reações comuns: nervosismo, dor de cabeça, dor abdominal, aumento ou redução de peso.

Casos raros: depressão, redução da libido, tontura, insônia, convulsão, sonolência.

A administração intramuscular a longo-prazo do Acetato de Medroxiprogesterona pode causar convulsões, aumento do risco de câncer de mama, formação de coágulos sanguíneos nos braços, pernas, pulmões e olhos e acidente vascular cerebral (AVC).

 

Ototoxicidade

Em alguns casos pode provocar perdas auditivas uni ou bilaterais progressivas e irreversíveis.

 

Efeitos colaterais oculares

O uso a longo prazo pode ocorrer lesões neuro-oculares, como neurite óptica ou trombose retiniana e intolerância a lentes de contato. O medicamento deve ser descontinuado imediatamente quando qualquer um desses distúrbios ocorrer ou for suspeito. 

 

 

ANTICONVULSIVO 

São medicamentos que previnem ou combatem as convulsões inclusive epilepsia.

 

TOPIRAMATO

O topiramato é um medicamento usado para o tratamento de epilepsia e convulsões, na prevenção de enxaquecas e também usado como alternativa no tratamento do transtorno bipolar, da obesidade, bulimia nervosa, estresse pós-traumático, tabagismo e alcoolismo.

 

Efeitos colaterais

As reações adversas incluem retardo psicomotor, perda de peso, tontura e disfunção cognitiva, e os mais graves: insuficiência renal, osteoporose, raquitismo e distúrbios visuais.

 

Ototoxicidade

Zumbidos e ataxia.

 

Efeitos colaterais oculares

Os pacientes geralmente apresentam-se dentro de um mês do início do tratamento com queixa de visão turva, dor ocular e dor de cabeça. Os sinais incluem miopia induzida, edema corneano difuso e aumento significativo da pressão intraocular. Portanto, não é indicado para quem tem problemas de retinose pigmentar e glaucoma, pois pode agravar o quadro.

A maioria destas alterações foi reversível após a interrupção do tratamento com Topiramato.

 

 

ANTIDEPRESSIVOS

Antidepressivos são medicamentos muito utilizados para o tratamento de transtornos mentais como depressão, ansiedade, vícios, distúrbios do sono, entre outros.

Os antidepressivos são classificados de acordo com a estrutura química ou as propriedades farmacológicas, e aqui destacamos os efeitos adversos dos antidepressivos tricíclicos (ADT).

 

Antidepressivos tricíclicos (ADT)

 

IMIPRAMINA

Substâncias similares: Amitriptilina, Clomipramina, Desipramina, Doxepina, Nortriptilina 

 

Indicação

Eleva o humor, melhor alerta mental, aumento da atividade física.

 

Efeitos colaterais

Boca seca, retenção urinária, prisão de ventre, delírios, sonolência, pressão baixa, tonturas ao levantar, ganho de peso. Os ADTs tem efeitos potencialmente perigosos para alguns pacientes que tem doenças prévias como arritmias e problemas visuais por exemplo.

 

Ototoxicidade

Em casos raros podem ocorrer zumbidos.

 

Efeitos colaterais oculares

Dependendo da dose e tempo de consumo do medicamento pode ocorrer visão turva, catarata, risco de glaucoma e anormalidades retinianas.

Portanto, psiquiatras, oftalmologistas e pacientes precisam estar cientes e preparados para qualquer efeito adverso por ADT. A prevenção e intervenção precoce, pode evitar a maioria das toxicidades oculares graves.

 

 

ANTI-INFLAMATÓRIOS

É um tipo de medicamento que reduz inflamação, febre e dor.

Existem 2 tipos de anti-inflamatórios que são esteroides (AIEs) e não-esteroides (AINEs).

 

Classe ESTEROIDES (AIEs)

Esteroides são drogas sintéticas que se assemelham a cortisol, um hormônio que é produzido nas glândulas suprarrenais. Os esteroides funcionam diminuindo a inflamação e reduzindo a atividade do sistema imunológico. Eles são usados ​​para tratar uma variedade de doenças e condições inflamatórias.

 

CORTICOIDES

Substâncias similares: Corticosteroides triancinolona, ​​Cortisona, Prednisona e Metilprednisolona

 

Indicações

Os corticoides são indicados para doenças reumáticas, inflamações intestinais, insuficiência e hiperplasia suprarrenal, problemas respiratórios e algumas condições alérgicas. 

 

Efeitos colaterais

Embora possuam muitos benefícios, há risco de potenciais efeitos adversos, mas isto depende basicamente das doses empregadas e da duração do tratamento. Os efeitos são: infecções, úlceras gastrointestinais ou hemorrágicas, reações alérgicas, ruptura de tendão, insônia, hipertensão, ganho de peso, osteoporose, retenção urinária e agravamento do diabetes.

 

Efeitos colaterais oculares

Os efeitos induzidos por esteroides podem ocorrer glaucoma, formação de catarata, retardo na cicatrização de feridas e aumento da suscetibilidade à infecção ocular. Os esteroides também são conhecidos por desencadearem uma corioretinopatia serosa central, doença que geralmente acomete a mácula: região importante da retina que é responsável pela visão de detalhes e cores em indivíduos suscetíveis.

 

Classe NÃO ESTEROIDES (AINEs)

Os anti-inflamatórios não-esteroidais (AINEs) são drogas que ajudam a reduzir a inflamação, o que geralmente ajuda a aliviar a dor. Os AINEs podem ser muito eficazes. Eles tendem a trabalhar rapidamente e geralmente têm menos efeitos colaterais do que os corticosteroides. 

 

SALICILATOS

Mais conhecido como ácido acetilsalicílico (Aspirina - AAS) é o analgésico, antipirético, e anti-inflamatório mais amplamente consumido no mundo.

 

Indicações

Geralmente são usados para as dores menos intensas e mais corriqueiras, durante um curto período de tempo.

O ASS dá alívio sintomático a cefaleia, resfriados, gripes, mialgia, lombalgia e dor artrítica de pequena intensidade e é usado para baixar febre. São também muito usados para tratamentos cardiovasculares.

 

Efeitos colaterais

Má digestão, reações alérgicas, tonturas, anemia.

 

Ototoxicidade

Estes fármacos são bem conhecidos por causar ototoxicidade temporária, resultando em zumbido. Eles também podem reduzir a audição e causar problemas de equilíbrio, particularmente quando administrados em altas doses. A reversão completa ocorre entre 2 a 3 dias após suspensão da droga, mas para quem tem a surdez preexistente, os cuidados devem ser redobrados.

 

Efeitos colaterais oculares

O uso crônico pode causar amarelecimento da visão.

 

 

ANTIMALÁRICOS E REMÉDIOS REUMATOLÓGICOS

Antimaláricos são usados para a profilaxia de malária e tratamento da doença.  São também usados em tratamento diferenciado como doenças reumatológicas.

 

CLOROQUINA - HIDROXICLOROQUINA        

Substâncias similares: Quinino, Mefloquina

 

Indicação

A princípio, o quinino foi o primeiro medicamento usado para tratar malária, mas logo foi substituído por cloroquina.

Geralmente a cloroquina é usada em pequenas doses e em curtos períodos de tempo como remédio antimalárico.

Atualmente essas drogas também estão sendo usadas para tratamentos de doenças autoimunes, incluindo artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico e também para câimbras musculares noturnas, amebíase hepática.

 

Efeitos colaterais

Cloroquina e hidroxicloroquina (segunda geração do quinino) são caracterizados por dor de cabeça, náusea, dor abdominal, vômito, tremor e manchas avermelhadas na pele. Efeitos graves: pode ocorrer confusão mental, convulsões, perda de consciência, queda da pressão sanguínea, problemas graves auditivos e visuais.

 

Ototoxicidade

As reações incluem zumbido, vertigem e perda auditiva neurossensorial. Mesmo com a interrupção os sintomas podem persistir.

 

Efeitos colaterais oculares

Tanto a cloroquina quanto a hidroxicloroquina pode causar toxicidade ocular grave: baixa acuidade visual, comprometimento da adaptação ao escuro (cegueira noturna) e atenuação vascular. Geralmente estes fármacos estão associados à perda profunda da visão e são irreversíveis mesmo após cessação da droga. 

 

 

ANTIPSICÓTICOS

Os antipsicóticos são medicamentos com efeitos sedativos capazes de corrigir ou melhorar os sintomas psicóticos.

 

TIORIDAZINA 

 

Indicação

A tioridazina é um agente antipsicótico usado apenas em pacientes adultos com esquizofrenia crônica ou exacerbações agudas.

 

Efeitos colaterais

Sonolência, tontura, boca seca, congestão nasal, hipotensão, confusão, agitação, alucinação, irritabilidade, dor de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia, constipação, perda de apetite, retenção ou incontinência urinária e raros casos de depressão, convulsões, arritmias, inchaço das mamas.

 

Ototoxicidade

Em interação com outros medicamentos pode provocar efeitos ototóxicos.

 

Efeitos colaterais oculares

Se consumida por longo tempo a toxicidade manifesta-se pela diminuição da visão, cegueira noturna, lacrimejamento, aumento da sensibilidade à luz, discromatopsia (anomalia da visão que interfere com a percepção das cores), catarata. Portanto é contraindicado para quem tem retinose pigmentar. A descontinuação do medicamento tem melhora espontânea em ocasiões raras, mas na maioria dos casos, a perda visual permanece ou até progride. 

 

 

DIURÉTICOS

Os diuréticos são medicamentos que eliminam sódio (sal) e água através da urina. 

São utilizados principalmente para tratar a hipertensão arterial, retenção de líquidos, bem como outros distúrbios como a insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica e glaucoma.

Existem 3 grandes grupos de medicamentos diuréticos: tiazídicos, poupadores de potássio e os diuréticos de alça sendo que vamos destacar os 2 últimos grupos.

 

Grupo POUPADORES DE POTÁSSIO

Os diuréticos poupadores do potássio são um grupo de diuréticos que atuam no rim, aumentando o volume e diminuindo a concentração da urina. São também chamados de antagonistas por ter a função de não promover a excreção de potássio pela urina.

 

ESPIRONOLACTONA

Substâncias similares: Amilorida e Triantereno

 

Indicação

Esse medicamento de uso oral é indicado para o tratamento dos sintomas da hiperplasia prostática benigna (HPB – aumento benigno da próstata que pode causar dificuldade para urinar). São também indicados para o tratamento de cardiopatia isquêmica, hipertensão.

 

Efeitos colaterais

Tonturas, cefaleias, cárie dentária, tosse, sensação de fraqueza, sonolência e dificuldade em dormir, coceira ou erupção na pele, incapacidade de ejacular e redução no desejo sexual ou interesse. 

Outra reação adversa: não deve ser usado em combinação com outros medicamentos que podem interagir com tansulosina porque pode causar insuficiência hepática grave e surdez.

 

Ototoxicidade

Existe risco de ototoxicidade quando há administração concomitante com outros medicamentos como por exemplo, antibióticos.

 

Efeitos colaterais oculares

Após algumas horas ou semanas do início da administração do medicamento podem surgir efeitos como redução da acuidade visual, dor ocular e em alguns casos de miopia aguda, mas é transitória.

Mesmo que a droga seja descontinuada, alguns pacientes correm o risco de adquirir catarata. Eles também devem ser alertados, se forem predispostos a ter problemas visuais como glaucoma.

 

Grupo DIURÉTICOS DE ALÇA

São diuréticos que removem uma grande quantidade de sódio dos rins e produzem o aumento do fluxo urinário.

 

FUROSEMIDA

Substâncias similares: Ácido etacrínico, Bumetanida, Torasemida.

 

Indicação

São os mais utilizados e potentes. Indicado para doenças que apresentam retenção de sódio e líquidos, como insuficiência cardíaca, cirrose, síndrome nefrótica e insuficiência renal.

 

Efeitos colaterais

Desidratação, câimbras, hipotensão, taquicardia, aumento do ácido úrico, tonturas.

 

Ototoxicidade

A furosemida pode causar lesões transitórias ou permanentes da audição se administradas em doses muito elevadas, principalmente por via intravenosa. Se forem administradas conjuntamente com antibióticos da classe dos aminoglicosídeos, mesmo com doses baixas de furosemida também podem causar zumbido e perda auditiva.

 

Efeitos colaterais oculares

Visão embaçada e olhos amarelos.

 

 

SUPLEMENTOS VITAMÍNICOS

O suplemento vitamínico é um tipo de complemento voltado para repor as vitaminas e minerais para o corpo. Atualmente a facilidade de comercialização e o aumento da publicidade fez com que o consumo tornasse uma prática comum, mas com possíveis riscos de ingestão indiscriminada.

Listamos aqui os suplementos que podem afetar a saúde ocular e auditiva por uso indiscriminado.

 

 

NIACINA

A niacina (ou ácido nicotínico) é também conhecida como vitamina B3. Tem função de reduzir os níveis de triglicérides e do colesterol LDL e aumenta o HDL, o colesterol bom.

 

Indicação

A niacina é usada para reduzir o risco de infarto ou acidente vascular cerebral (AVC) e é indicada para pessoas com colesterol alto e no tratamento de pelagra.

 

Efeitos colaterais

Este fármaco causa efeitos colaterais comuns como rubor, desconforto abdominal.

Reações adversas graves: problemas hepáticos, excesso de infecções, sangramento excessivo, gota, perda de controle (das taxas) de açúcar no sangue.

 

Efeitos colaterais oculares

Para a visão, a niacina pode causar visão turva, olho seco, diminuição da acuidade visual e se consumido por longo tempo pode adquirir olhos amarelados e edema macular cistóide que é o inchaço da parte central da retina. 

Após a descontinuação da terapia com niacina, ocorre regeneração completa das células oculares, no entanto, a niacina deve ser usada com cautela para quem tem histórico de retinose pigmentar. O paciente deve ter acompanhamento oftalmológico porque existem fatores de risco em causar maculopatia por niacina.

 

 

VITAMINA A

A vitamina A tem um papel importante para a visão, pele e crescimento. Essa vitamina é um micronutriente com função antioxidante e por isto está presente em quase todos os produtos cosméticos.

 

Indicação

A vitamina A ajuda a proteger a superfície do olho (córnea) para ter uma boa visão e é indicada para problemas visuais em situações de pouca luz (cegueira noturna). A vitamina também é boa para prevenir problemas da pele, doenças reumáticas, gengivite, evita infecções, melhora a imunidade e ainda tem importância na formação dos ossos, da pele, cabelos e unhas.

 

Efeitos colaterais

Embora seja indicado como efeito antioxidante, o excesso de vitamina A pode causar manifestações clinicas desagradáveis e até perigosas.

A ingestão prolongada pode provocar dor de cabeça, ressecamento da pele com fissuras, erupção cutânea, amarelecimento da pele, perda de cabelos, aumento do baço e fígado, náusea, vômito, aumento dos ossos e dor nas juntas. Fraturas podem ocorrer com facilidade, sobretudo nos idosos. 

Existem muitas controvérsias e por isto deve-se ter cautela ao consumir a vitamina A. Por exemplo: um precursor da vitamina A como o betacaroteno tem sido associado a um risco aumentado de câncer de pulmão em fumantes e aqueles previamente expostos a altos níveis de amianto.

Outro exemplo é o palmitato retinol que é a forma pura da vitamina A. Eles são compostos usados em cosméticos e incorporados principalmente a cremes e a óleos corporais. Alguns estudos relataram que o palmitato de retinol contido nos protetores solares pode aumentar a taxa de crescimento do câncer de pele, mas sem comprovação científica.

Os palmitatos são utilizados também em produtos antiacnes potentes (veja Isotretinoína), mas verificou-se muitas reações adversas como ressecamento das mucosas bucal, nasal, genital, causa complicações respiratórias e são perigosos para gestantes: causa morte do feto ou malformações graves como hidrocefalia.

Os que realizaram transplantes renais também não podem consumir este suplemento porque aumenta a possibilidade de desenvolvimento de toxicidade.

A toxicidade hepática é uma complicação potencial de altas doses diárias de vitamina A palmitato (via oral), portanto, exames de sangue para avaliar a função hepática devem ser realizados anualmente.

Em todos os casos, a recuperação depende da gravidade da toxicidade da vitamina A e da rapidez com que foi tratada. A maioria das pessoas recuperam totalmente quando cessam de tomar este suplemento. 

 

Efeitos colaterais oculares

A vitamina A é muito utilizada para melhorar a visão e tratar distúrbios oculares como degeneração macular relacionada à idade (DMRI), glaucoma, retinose pigmentar e catarata. 

No entanto, o consumo excessivo e prolongado de vitamina A induz a efeitos colaterais como visão dupla, e se não for tratada, pode levar ao inchaço do disco óptico no olho.

Há no mercado vários tipos de vitamina A palmitato indicados para a visão, mas deve-se estar atento devido a reações adversas descritas acima, por esta razão, deve-se sempre consultar o oftalmologista antes de começar a tomar a vitamina A.

 

VITAMINA E

Substâncias similares: Acetato de Racealfatocoferol

A vitamina E é um potente antioxidante e desempenha um papel significativo no sistema imunológico.

 

Indicação

A vitamina E pode ajudar a proteger os olhos contra os radicais livres e é usado como um tratamento potencial para a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) e altas quantidades podem estar associadas a um risco reduzido de catarata.

 

Efeito colaterais

Ocasionalmente, ocorrem fraqueza muscular, fadiga, náuseas e diarreia. O risco mais significativo é o de hemorragia, se consumido por longo tempo. As doses mais elevadas (superiores a 800 mg/dia) têm sido associadas a uma maior incidência de sangramento em pacientes com deficiência de vitamina K, alteração do metabolismo tireoidiano, função sexual diminuída, e risco de tromboembolia.

 

Efeitos colaterais oculares

Por períodos prolongados pode haver visão turva e risco de hemorragia ocular.

UMA DAS ALTERNATIVAS PARA CONSUMIR VITAMINAS E MINERAIS: ALIMENTOS

A melhor maneira de incluir as vitaminas no nosso dia a dia, é ingerir boas doses de alimentos que são bons para a visão e audição.

Veja a lista abaixo e... bom consumo!

VITAMINA A

 

Ouvidos: Por ser antioxidante protege a qualidade da audição à medida que envelhece. 

Olhos: Previne doenças e problemas de visão como olho seco, glaucoma e DMRI.Pode retardar a evolução da retinose pigmentar.

Alimentos:

- semente de abóbora, amaranto, quinoa

- cenoura, batata-doce, pimentão vermelho, abóbora, tomate, beterraba, alcachofra, aspargo, quiabo, pupunha

- ervilha, grão-de-bico, lentilha

- couve, espinafre, alface, agrião, brócolis, couve-de-bruxelas

- fígado de galinha, fígado bovino, ovo, carne bovina, atum

- leite integral, queijo, manteiga

- abacate, damasco seco, melão, melancia, mamão, manga, pêssego, caqui

- pistache, macadâmia, avelã, nozes

- óleo de fígado de bacalhau, óleo de linhaça

- páprica, manjericão, alho, cebola, cebolinha, orégano

- hortelã, alecrim, chá mate

- moringa

 

VITAMINA B1 (TIAMINA)

Ouvidos: Tem efeito calmante sobre os nervos do ouvido interno e por isto pode ajudar a reduzir zumbido.

Olhos: Prevenção de doenças relacionadas ao nervo ótico, como glaucoma e cataratas.     

Alimentos:

- aveia, centeio, germe de trigo, quinoa, sementes de girassol, arroz branco, levedura de cerveja em pó

- aspargos, cogumelos, tomate, milho, alcachofra

- feijão preto, ervilha, soja, grão-de-bico, lentilha

- alface, espinafre, brócolis, agrião, almeirão

- carne de porco e órgãos como fígado e coração, carne bovina, frango, gema de ovo, atum, salmão, truta

- algas marinhas

- iogurte desnatado, leite

- uva, melancia, manga, abacate, laranja, melão

- castanha-do-pará, castanha-de-caju, amendoim, noz-pecã, amêndoas, pistache, macadâmia

- cebola, alho, cominho

- chá preto, erva-doce, chá mate

- chocolate amargo

- moringa

 

VITAMINA B2 (RIBOFLAVINA)

Ouvidos: Pode reduzir o zumbido e manter a audição saudável por mais tempo.

Olhos: Protege os olhos e previne cataratas.        

  

Alimentos:

- semente de gergelim, semente de abóbora, farelo de trigo, quinoa, levedura de cerveja em pó

- aspargo, beterraba, cogumelos, tomate seco

- brócolis, espinafre, couve, repolho, agrião, alface

- ervilha, lentilha, soja verde, grão-de-bico, feijão preto

- fígado bovino, fígado de frango, fígado de peru, carne bovina magra, frango, lombo de porco, ovos, salmão, truta, ostra

- leite, iogurte, queijo

- uva, ameixa seca, abacate, manga, banana, maçã, maracujá roxo

- amêndoa, nozes, amendoim

- cebola, pimenta em pó, páprica, coentro, salsinha, cominho, orégano

- hortelã, menta, chá preto, chá mate

- chocolate amargo, mel

- moringa

 

VITAMINA B3 (NIACINA)

Ouvidos: Pode reduzir zumbidos.

Olhos: Pode prevenir o desenvolvimento de glaucoma.

Alimentos:

- sementes de girassol, sementes de abóbora, germe de trigo, semente de gergelim, arroz integral, quinoa, levedura de cerveja em pó

- cenoura, batata, tomate, pimentão, quiabo, jiló, batata-doce, cogumelos, aspargo, alcachofra

- feijão, lentilha, ervilha fresca

- brócolis

· Fígado bovino, frango, peru, carne de porco, carne bovina e órgãos como fígado, rim e coração, salmão, atum, ostra, camarão, ovos

- iogurte, leite

· abacate, ameixa, manga, pêssego, maracujá, morango, figo

- castanha-do-pará, amendoim, macadâmia

- café, hortelã

- cebola, coentro, orégano, canela

- chocolate amargo, mel

- moringa

 

VITAMINA B6

Ouvidos: Pode reduzir os sintomas de zumbido.

Olhos: Previne sensibilidade à luz, cataratas e olhos secos.

Alimentos:

- semente de girassol, germe de trigo, arroz integral, aveia, sementes de abóbora, farelo de trigo, quinoa

- batata, batata-doce, inhame, nabo, cenoura, pimentão, quiabo, alcachofra, vagem, milho

- couve-flor, espinafre, brócolis, couve-de-bruxelas, couve, repolho

- feijão preto, soja, grão-de-bico, lentilha

- fígado bovino, fígado de frango, salmão, bacalhau, peru, frango sem pele, atum cozido, lombo magro de porco, carne bovina, camarão, ovo

- leite, iogurte desnatado

- banana, abacate, manga, ameixa seca, melão, melancia, uva, caju, morango

- avelã, pistache, amendoim, castanha-do-pará

- melado, cacau em pó, canela

- cúrcuma, alho, louro, orégano

- alecrim

- chocolate amargo, mel

 

VITAMINA B9 (ÁCIDO FÓLICO)

Ouvidos: Pode reduzir o risco de perda auditiva em até 20%. Ajuda a diminuir o zumbido.

Olhos: Em combinação com outras vitaminas B previne o desenvolvimento de DMRI.

Alimentos:

- semente de gergelim, semente de linhaça, semente de girassol, germe de trigo, semente de abóbora, arroz branco, levedura de cerveja em pó

- milho, quiabo, batata, aspargo, beterraba, cenoura, abóbora, alcachofra, batata-doce

- brócolis, couve, espinafre, alface, couve-de-bruxelas, agrião, acelga, couve-flor, repolho

- feijão, feijão preto, lentilha, ervilha, ervilha-torta, soja verde

- fígado bovino, fígado de frango, ovos, truta, salmão

- iogurte desnatado, queijo cheddar, leite

- abacate, laranja, limão, mamão, morango, caju, banana, manga, kiwi, amora preta, framboesa

- amendoim, amêndoa, avelã, castanha-do-pará, nozes, noz-pecã

- estragão, orégano, louro

- chá verde, chá preto, hortelã, chá branco, erva-doce

- mel

 

VITAMINA B12

Ouvidos: Similar ao ácido fólico, a vitamina B12 ajuda a combater perda de audição relacionada à idade e também evita zumbidos.

Olhos: Pode ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento da DMRI.

Alimentos:

A vitamina B12 é encontrada em sua maior parte em origem animais:

- salmão, truta, sardinha, atum, fígado bovino, carne de porco, ovos, ostras, mexilhões, cefalópodes (classe de moluscos que agrega os polvos e as lulas, por exemplo).

- algas marinhas

- Leite, iogurte, queijos, manteiga

Alguns vegetais e frutas que possuem pouquíssima porcentagem de B12:

- agrião, espinafre, couve-de-bruxelas

- aveia, levedura de cerveja em pó

- feijão, soja, lentilha, grão-de-bico

- ameixa preta, uva passa, nozes, açaí

- chá branco

 

VITAMINA C

Ouvidos: Reduz zumbidos. 

Olhos: Forma colágeno, uma proteína que fornece estrutura para os olhos. Pode proteger contra a catarata e ajudar a prevenir a progressão da DMRI. Estudos apontam que também pode reduzir a pressão intraocular em doentes com glaucoma.

Alimentos:

- semente de linhaça, germe de trigo

- pimentão, tomate, aspargo, ervilha-torta, batata, alcachofra, quiabo, cenoura, beterraba, inhame, mandioca, pepino

- brócolis, couve-de-bruxelas, couve-flor, couve, acelga, espinafre, rúcula, repolho, alface

- soja verde, ervilha, grão-de-bico

- camu-camu, acerola, laranja, abacate, mamão, romã, goiaba, morango, abacaxi, kiwi, melão, framboesa, limão, abacaxi, manga, uva, melancia, banana, maçã, caju, mexerica

- cúrcuma, cebola, alho, salsinha, tomilho, louro, coentro, cebolinha, manjericão, orégano

- hortelã, chá preto, chá verde, erva-doce, chá mate

- suco de uva

- chocolate amargo, mel

- moringa

 

VITAMINA D

Ouvidos: A vitamina D contribui para fortalecer os ossos do corpo e inclui o trio de ossos minúsculos, mas cruciais, no ouvido médio.

Olhos: Ajuda na prevenção da catarata e também da DMRI.

Alimentos:

Embora esteja nos peixes em geral (inclusive óleos de peixes), ovos e nos lácteos (leite integral, manteiga, queijo e iogurte), a principal fonte são os raios solares 

 

VITAMINA E

Ouvidos: Protege contra infecções no ouvido.

Olhos: Pode reduzir o risco de progressão da DMRI e cataratas.

Alimentos:

- semente de girassol, semente de abóbora, semente de linhaça, quinoa, germe de trigo, arroz integral

- cenoura, pepino, couve, milho, tomate, azeitona, abóbora, quiabo, ervilha-torta

- brócolis, espinafre, acelga, repolho, alface

- salmão, bacalhau, sardinha, carne de porco, fígado bovino, carne bovina, fígado de peru, fígado de frango, ovo

- mamão, kiwi, manga, abacate, ameixa seca, uva, pera, pêssego, maçã, banana, morango, açaí

- amendoim, castanha-do-pará, amêndoas, avelã, nozes, pistache, noz-pecã

- azeite de oliva, óleo de soja, óleo de milho, óleo de girassol, óleo de fígado de bacalhau

- cebolinha, orégano

- chocolate amargo, chá mate

- moringa

VITAMINA H (BIOTINA) 

Ouvidos: Alivia os sintomas de deficiência de biotinidase (distúrbio hereditário caracterizado por perda auditiva). Pode reduzir zumbido.

Olhos: Em combinação com outras vitaminas B tem função antioxidante.

Alimentos:

- aveia, sementes de girassol, levedura de cerveja em pó, arroz integral

- pão integral

- ervilhas, soja

- batata-doce, cenoura

- couve-flor, repolho, acelga, espinafre

- cogumelos, cebola, pepino, alcachofra

- ovo, sardinhas, carne bovina, fígado bovino cozido, salmão

- leite, iogurte, coalhada, requeijão

- abacate, framboesa, banana, morango, mamão, melancia

- amendoim, nozes, avelãs, castanha-de-caju

- chá preto, café, vinho, cerveja, chocolate, suco de uva

- moringa

 

ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3

Ouvidos: Prevenção de perda auditiva.

Olhos: Têm propriedades anti-inflamatórias e podem ajudar na prevenção da retinopatia diabética e olho seco.

Alimentos:

- sementes de chia, linhaça, aveia, semente de abóbora, quinoa

- abóbora

- brócolis, espinafre, couve, repolho, alface, couve-de-bruxelas, agrião

- feijão, soja, ervilha, lentilhas

- sardinha, arenque, salmão, atum, bacalhau, camarão, ovo

- leite orgânico, muçarela de búfala

- algas marinhas

- abacate, mamão, açaí, romã, framboesa, cereja, morango, amora

- amendoim, nozes, amêndoas, avelãs, pistache, castanha-do-pará, castanha-de-caju

- óleo de fígado de bacalhau, azeite de oliva, óleo de soja, óleo de girassol

- chocolate amargo

- moringa

 

CISTEÍNA 

Ouvidos: Pode reduzir zumbido e diminuir significativamente a perda auditiva relacionada à exposição a ruídos.

Olhos: Em conjunto com vitamina B12, vitamina D, Zinco, Vitamina A, luteína e cisteína formam os melhores antioxidantes para prevenir DMRI e a catarata.     

Alimentos:

- sementes de girassol, semente de abóbora, germe de trigo, semente de gergelim, arroz selvagem, quinoa, chia

- pimentão vermelho e amarelo

- brócolis, couve-de-bruxelas, repolho

- soja, grão-de-bico, lentilha

- ovos, carne bovina, frango, peru, sardinha, salmão, atum, camarão

- leite, iogurte, queijo

- castanha-de-caju, castanha-do-pará, nozes, avelãs, amêndoas, amendoim

- alho, cebola roxa

 

LUTEÍNA E ZEAXANTINA

Ouvidos: Em conjunto com vitamina A, a luteína pode favorecer e preservar por mais tempo uma audição mais saudável.

Olhos: Podem reduzir o risco da DMRI, catarata e estacionar alguns casos de retinose pigmentar. A luteína também protege os olhos das lesões provocadas pelos raios solares.

Alimentos:

- cenoura, milho, abóbora, aspargos, pimentão, tomate, batata-doce, beterraba, nabo, alcachofra, quiabo, vagem

- brócolis, couve-de-bruxelas, repolho, couve-flor, rúcula, espinafre, agrião, acelga, rúcula, alface

- ervilha, feijão verde

- laranja, nectarina, mamão, pêssego, abacate, mirtilo, uva, framboesa, cereja

- gema de ovo.

- pistache

- salsinha, coentro, manjericão, páprica, pimenta caiena, alho-poró

 

POTÁSSIO / MAGNÉSIO

Ouvidos: Fornece proteção adicional contra perda auditiva induzida por ruído.

Olhos: Indicado para prevenir espasmo das pálpebras e olho seco.

Alimentos:

- aveia, semente de abóbora

- cenoura, batata, beterraba, batata-doce, abóbora, tomate, cogumelo

- espinafre, couve, acelga

- feijão branco, feijão preto, lentilha, ervilha,

- carne bovina magra, salmão, sardinha, atum, peito de frango, peito de peru

- leite desnatado, iogurte desnatado, queijo Minas

- banana, damasco seco, melão, mamão, laranja, abacate, pera, melancia, coco, uva-passa, figo, pêssego

- amendoim, castanha-de-caju, castanha-do-pará, pistache, avelã, amêndoa

- cebola, alho, estragão, salsão, orégano, louro

- hortelã, alecrim, chá preto, chá branco, erva-doce, chá mate

- suco de uva, água de coco

- mel

- moringa

 

RESVERATROL

Ouvidos: Pode ajudar a restaurar a audição.

Olhos: Pode reduzir risco de glaucoma, catarata, DMRI, retinopatia diabética e olhos secos.

Alimentos:

- uvas, mirtilos, ameixa, framboesa, morango, amora, groselha

- suco puro de uva, vinho tinto

- amendoim, nozes, pistaches

- chocolate amargo, cacau em pó

 

ZINCO

Ouvidos: Mantem a audição saudável. Pode reduzir os sinto mas de zumbido e melhorar a recuperação após sofrer uma perda auditiva súbita.     

Olhos: São capazes de retardar a DMRI.

Alimentos:

- sementes de abóbora, sementes de linhaça, germe de trigo, arroz integral, aveia, centeio, farinha e flocos de milho

- pão de centeio, pão integral

- batata-doce, abóbora, cenoura, cogumelo, aspargo, pepino, pimentão, rabanete, tomate, nabo

- espinafre, couve, couve-flor, repolho, agrião, alface

- feijão, soja, grão-de-bico, ervilha, lentilha

- ostras, gema de ovo, frango, carne bovina, peru, fígado de frango, camarão, mexilhões, lula

- leite integral, iogurte, queijo cheddar

- abacate, abacaxi, banana, figo, framboesa, pera, pêssego, uvas, maçã, manga, morango, ameixa seca, uvas passas

- nozes, amêndoa, amendoim, avelã, castanha-de-caju, castanha-do-pará

- pimenta em pó, cebola

- hortelã, erva-doce, chá-verde

- mel, chocolate amargo

DEFINIÇÕES DE DOENÇAS (resumo)

 

Retinose pigmentar

A retinose pigmentar é uma doença que afeta a retina que faz com que as pessoas percam lentamente sua visão. A RP é uma doença genética (transmitida pelos pais) e pode ser causada pela mutação de um gene que produz a enzima PDE6 (enzima importante para a visão).

 

Surdez

A surdez ou deficiência auditiva, é a perda parcial ou total do sentido da audição, dificultando a compreensão e a comunicação da pessoa afetada. 

 

Degeneração macular relacionada à idade – DMRI

É doença degenerativa da retina que provoca perda progressiva da visão central e é a causa mais comum de perda visual em pessoas acima de 50 anos

 

Síndrome do olho seco

Olhos secos são sintomas provocados por falta de lubrificação do olho e causa desconforto como secura, vermelhidão, coceira, ardência etc.

 

Cegueira noturna

É dificuldade de enxergar à noite ou em lugares de pouca luz. O surgimento da condição é causado pela falta de vitamina A.

FONTES

http://retinosepigmentar1.blogspot.com/2015/02/medicamentos-nao-indicados-para.html

https://www.liviabianchi.com.br/artigos/retinopatias-toxicas

https://pt.wikipedia.org/wiki/Antibi%C3%B3tico

https://www.ebah.com.br/content/ABAAAfumwAE/medicamentos-que-atuam-no-sistema-nervoso-autonomo-adrenergicos?part=2

https://essentia.com.br/resveratrol-para-saude-dos-olhos/

https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-do-ouvido,-nariz-e-garganta/dist%C3%BArbios-da-orelha-interna/ototoxicidade-induzida-por-medicamentos

https://exame.abril.com.br/ciencia/vitamina-b3-que-reduz-colesterol-traz-risco-de-morte/

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/10/131017_vitaminas_riscos_fn

https://www.ecycle.com.br/2199-palmitato-de-retinol

https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-nutricionais/defici%C3%AAncia,-depend%C3%AAncia-e-toxicidade-de-vitaminas/niacina

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2005002400005

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942013000600727

www.scielo.br/pdf/jbpneu/v36n5/v36n5a17.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4458328/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5374963/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3138949/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12207947

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11530040

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4298909/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3289699/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7283806

http://www.worstpills.org/public/page.cfm?op_id=84

https://www.oepf.org/sites/default/files/journals/jbo-volume-11-issue-6/11-6%20Valeriewren.pdf

https://www.retinalphysician.com/issues/2008/jan-feb/retinal-and-uveal-drug-toxicity

https://www.reviewofoptometry.com/article/the-minds-eye-ocular-complications-of-psychotropic-medications

https://www.reviewofophthalmology.com/article/systemic-drugs-with-ocular-side-effects

https://www.reviewofophthalmology.com/article/common-medications-that-may-be-toxic-to-the-retina

https://www.reviewofoptometry.com/article/cosmetics-may-contribute-to-eye-toxicity

https://www.retinalphysician.com/issues/2007/nov-dec/retinal-toxicities-caused-by-systemic-medications

https://www.aao.org/eye-health/drugs/erectile-dysfunction-medication-your-eyes-vision

www.optometrysmeeting.org/documents/handouts/2015/P335.pdf

http://www.richmondeye.com/ocular-side-effects-of-medications/

https://www.webmd.com/rheumatoid-arthritis/guide/steroids-to-treat-arthritis#1

http://morancore.utah.edu/basic-ophthalmology-review/ocular-side-effects-of-corticosteroids/

http://www.retina-specialist.com/article/horv-a-rare-but-devastating-complication-of-endophthalmitis-prophylaxis

https://fqresearch.org/vision-problems-from-antibiotics

http://new-glaucoma-treatments.com/fda-approved-eye-drops-for-glaucoma-beta-blockers-selective-alpha-adrenergic-agonist-cais/

https://www.aao.org/eyenet/article/hydroxychloroquine-induced-retinal-toxicity

https://www.uptodate.com/contents/ocular-side-effects-of-systemically-administered-chemotherapy

https://www.sciencedirect.com/topics/medicine-and-dentistry/chloroquine-retinopathy

https://www.eyepromise.com/blog/doctors/what-can-folic-acid-do-for-your-patients/

https://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2016/12/05/nutrients-protect-improve-hearing.aspx

https://www.dizziness-and-balance.com/disorders/bilat/ototoxins.html

https://www.blindness.org/blog/index.php/what-everyone-with-a-retinal-disease-should-know-about-vitamin-a/

Revisão: Telma Nunes de Luna

Compartilhe

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube Social  Icon

Síndrome de Usher Brasil @ 2016 Todos os direitos reservados

Responsável: Ana Lúcia Perfoncio